A estrutura do edificio é feita de madeira compensada e pode ser desmontado e reconstruído em outro lugar, de ser necessário. Projetado pelo arquiteto Alberto Mozó, nomeado em 2012 para o Prêmio BSI suíço pela sua contribuição significativa para a melhoria do meio ambiente.

Palavras do arquiteto Alberto Mozó:

Este edifício de escritorios entre duas casas antigas (1936), que foram refaccionadas e não estão protegidas por nenhuma lei de conservação histórica. O complexo ocupa um site que permite a construção de um prédio de 12 andares e isso determina um alto valor da terra, ao mesmo tempo, despreza o valor de qualquer edifício que não tem essa altura.

Com estas premissas e com o objectivo de dar um valor econômico para um novo prédio de apenas três andares, foi eleito construir uma estrutura de madeira compensada, evitando contra demolição a venda do site.

A madeira laminada oferece a operação ineludível para desarmar, e abre a possibilidade de construí-lo em outro lugar, o desenho deste edificio bem o permite, e senão, talvez as vigas sejam transformadas em portas e anos mais tarde uma a porta mesma pode servir como uma cobertura para uma mesa. Esta é uma condição de valor em Arquitetura e Urbanismo, que eu pessoalmente chamo "transitiva".

Finalmente, é importante mencionar que a madeira utilizada é de reflorestamento incentivo para pertencer ao tipo de madeira da floresta renovável e material de construção, que produz menos emissões de carbono para a consideração de nossas mudanças climáticas.

Visitas: Av Francisco Bilbao 2296, Providencia. Santiago

Fonte: plataformaarquitectura.cl